Buscar

Short Drink / Long Drink / Frozen Drink / Hot Drink



Apesar de enfeitarem um copo, o pequeno guarda chuvas de papel e um toque com pedacinho de frutas na borda de um copo, não "constroem" um coquetel. Muito menos a adição de suco ou refrigerante a uma dose de rum ou vodka (se formos falar nos verdadeiros coquetéis).

Mas então, o que é exatamente um coquetel? Alguns ingredientes e muita história.

Os coquetéis são tradicionalmente considerados como uma inovação americana, mas na verdade foram inspirados, pelo menos em parte, pelas grandes tigelas de destilados, misturado com sucos de frutas e especiarias, consumidos na Inglaterra no século XVIII. O termo coquetel, foi visto pela primeira vez, em um jornal britânico, em 1798, ao se referir a alguns tipos de bebidas. Mas somente em 1806, ele teve sua primeira definição como: "um licor misturado com açúcar, água e algo amargo”.

A verdadeira arte do bartending evoluiu graças a Jerry Thomas, também conhecido como “Professor” Thomas, um barman americano que escreveu um dos primeiros livros de receitas abrangentes - O Guia do Barman, basicamente uma enciclopédia de bebidas mistas que se tornou um porta-estandarte para bartenders. O aumento das viagens e os passos em direção à industrialização ajudaram, assim como as inovações em direção a um ingrediente-chave na cultura de coquetéis: o gelo. Com o gelo mais disponível nos EUA e internacionalmente, as possibilidades de coquetéis - e consumo de coquetel - explodiram. Mas então uma pequena coisa chamada Proibição diminuiu o consumo de coquetéis. Mesmo depois de ter sido revogada, muitos dos mais talentosos barmen já haviam encontrado novas casas no exterior.

Pela década de 90 aproximadamente um grupo modesto mas ambicioso de bartenders liderado por pessoas como Dale Degroff em Nova York começou a reviver a clássica cultura cocktail do tempo de Thomas, trazendo valores históricos e padrões de qualidade rigorosos. Dale Degroff hoje é conhecido como o Rei dos Coquetéis.


Fatores como diferenças culturais, de costumes, de hábitos, de clima e até mesmo modismos, interferem no resultado final da produção de um coquetel. Além do que, certos ingredientes não são tão facilmente encontrados em nosso país, obrigando muitas vezes a utilização de produtos similares. Assim, a soma destes fatores faz com que, eventualmente, um mesmo coquetel, com a mesma denominação, com a mesma provável origem e com mais ou menos a mesma base de ingredientes chegue aqui a um resultado diferente, às vezes sutil, às vezes tão marcantemente distinto que se poderia classificá-lo como sendo um outro coquetel.


Classificações por categorias, pela dosagem alcoólica, tamanho e temperatura dos cocktails, convencionou-se dividi-los em Short Drinks, Long Drinks, Hot Drinks.


Long Drink - servidos em copos Highballs, long drinks são preparados com destilados, bitters, licores e, muitas vezes, misturados com sucos de frutas, refrigerantes e bebidas gaseificadas. Por levarem bastante gelo em seu preparo, tornam-se bem refrescantes. Dificilmente são servidos durantes as refeições.


Short Drink - seu volume é, em média, 50 ml e são preparados com duas ou mais bebidas. Normalmente são servidos em copos old-fashioned ou taças de coquetel. São os drinks geralmente tomados como aperitivos.


Hot Drinks - são coqueteis quentes que levam ingredientes como chocolate, café e chás. Muito consumidos no inverno, em canecas especiais para drinks quentes conhecidas como Irish Coffee Glass


Frozen drinks - preparados com muito gelo, normalmente são feitos com o uso de liquidificador. Sua textura ideal deve ser cremosa e lisa, sem grandes fragmentos de gelo. Levam destilados, licores, sorvetes, leite condensado e demais ingredientes doces.


#RECEITA DO DIA

​​

FROSÉ (uma união do vinho rosé com frozen que fica uma delicia)


Muito simples de fazer, no entanto, deve ser preparado com antecedência (cerca de 8-10 horas). Você precisará de ingredientes que você não terá dificuldade em encontrar no mercado: vinho rosé, alguns morangos e limão!


1 garrafa de Rosé 7 colheres (sopa) Xarope de morango* 4 colheres (sopa) Suco de limão 10 cubos de gelo (tamanho comum)


*Como fazer o xarope de Morango 7 colheres (sopa) de água, 100 g de açúcar refinado, dez morangos. Despeje a água e o açúcar em uma panela. Aqueça em fogo médio por 5-10 minutos, mexendo regularmente até que o açúcar se dissolva totalmente. Retire do fogo e adicione os morangos cortados. Deixe em infusão por cerca de 1h. Despeje em uma garrafa de vidro filtrando com um filtro fino, sem esmagar os morangos.


Preparo do Frosé Despeje o vinho rosé em um recipiente e coloque no freezer por 6 a 8 horas (o rosé não ficará completamente sólido por causa de seu teor alcoólico). Coloque todos ingredientes em uma batedeira. Misture por 15 a 20 segundos até que a consistência fique próxima a um granito. Despeje o resultado em um recipiente e coloque de volta no freezer por 2 a 4 horas. Quando servir, misture novamente por alguns segundos para obter uma consistência perfeita. Em seguida, despeje em copos, adicione um morango na borda de cada um e sirva com um canudo.